9 de março de 2018

E começa mais um SXSW. Já é o 31º, mas para mim, o primeiro. Conheço pessoas que foram em anos anteriores, há alguns anos acompanho coberturas do evento, me sentia familiarizada com ele. Quase como se já estivesse participado antes. Mas descobri que não é bem assim – ser “calouro” em eventos desse porte é tarefa árdua. Como é que ninguém me alertou disso antes? Será que sou só eu?

Bem, de cara percebi que há 3 fases que provavelmente todos os novatos passam:

FASE 1: EMPOLGAÇÃO

É quando você resolve que vai ao SXSW. Uhul! Tudo aquilo que você leu ou ouviu dizer nos anos anteriores agora está ali, ao seu alcance.

Então você pensa em como deve ser maravilhoso estar no meio de tanta gente bacana, numa cidade cool, ouvindo gente do mundo todo falar sobre coisas que você nem imagina. E você ali, na plateia, respirando esse conhecimento.

Próximo passo: vamos ver qual é a do evento esse ano! Entra no site, baixa o app, lê colunas, artigos, referências – tudo para montar um roteiro. É aí começa a FASE 2.

FASE 2: DESESPERO

Sim, desespero. São centenas de atrações, milhares de dicas, relações sem fim de assuntos, pessoas, exposições. E você tem 7 dias. E é uma pessoa só.

“Mas calma”, alguns irão dizer. “Basta um pouco de organização”. Certo? I wish…

Começar é simples: você vai “favoritando” tudo o que parece interessante. Às vezes vai pelo título, às vezes pelo palestrante, ou pelo assunto. O problema é quando a lista cresce demais. A cada dia que passa, olha só!, mais um speaker confirmado! Que ótimo! Agora são só 7 eventos diferentes no mesmo horário. Sabe o tal do FOMO? Então, ele é real.

Não há planilha bem diagramada, com color code, divisão por local/tipo de sessão/assunto que resolva. É preciso fazer escolhas. Vamos ouvir sobre as tendências 2018 no Four Seasons? Ou saber como criar vantagens competitivas por modelos de negócios inovadores no Hilton? Que tal uma conversa sobre foguetes, robôs e nossa próxima viagem à lua no Austin Convention Center? Mas aí vamos perder o papo, logo ali, na sala ao lado, sobre como fazer governos funcionar melhor para a sociedade.

Enfim, tenho algumas horas até as primeiras palestras começarem para tomar decisões. Se alguém aí tiver uma sugestão, será muito bem-vinda. Quem sabe no futuro, quando não for mais novata, eu saiba lidar melhor com essa fase?

A FASE 3? Ah, sim. Dia 15 me perguntem.

Artigo publicado originalmente no Meio e Mensagem