“Data is the new oil”: possibilidades de mundo na era da informação

Hugo Rafael
SÓCIO-DIRETOR | ESTRATÉGIA E DESIGN

Estou há 3 dias no SXSW e já assisti a mais de 15 conferências, algumas muito boas, outras nem tanto. Essa já é uma evidência de que realmente vivemos em uma avalanche de informações. Aliás, de uma das boas palestras, ouvi o Howard Wright, executivo da Intel, dizer que “The data is the new oil”, ao enfatizar o valor comercial das informações que são geradas em volume cada vez maior em nosso dia a dia digital. Por isso, resolvi selecionar as palestras que mais me marcaram para compartilhar com vocês.

Creative Problem Making
Vi palestras divertidas como a “Make it hard: Benefits of Creative Problem Making”. Os palestrantes montaram uma parafernália no palco com o intuito de fazer um videoclipe durante a palestra, aproveitando a participação de toda a plateia. E eles conseguiram! O grupo é conhecido por fazer videoclipes e filmes de comunicação para Marcas na tentativa de filmar tudo em um único (ou poucos) plano-sequência. Todo o desenvolvimento e planejamento envolvido parece ser muito difícil e trabalhoso, o que justifica o nome da palestra e a experiência que fizeram durante a apresentação.

Pós-digital?
As palestras sobre tecnologia também foram contempladas por mim. Conheci um pouco mais sobre bots, tidos como a nova fronteira do digital, em que as interfaces estão evoluindo para algo mais conversacional – e já até se fala em uma era pós-apps e smartphones.

Sci-fi ou Tecnologia?
Também ampliei meu conhecimento sobre blockchain, uma tecnologia – que ainda me parece um pouco sci-fi, confesso – que busca dar autenticidade a dados, criar históricos confiáveis e descentralizar o controle de informacões. Essa é a base do bitcoin, que permite aos usuários fazer transações entre si sem precisar de uma instituição financeira. Imagina o potencial e impacto disso na nossa economia!

Smart Cities
O tema dessa palestra, mais sério, gerou discussão entre o prefeito de Atlanta, alguns executivos da Intel e Verizon e o cofundador da ONG US Ignite, sobre a viabilidade da construção de smart communities, uma proposta que parte de uma visão bem mais simples e voltada para comunidades menores.

Design e Inspiração
Para fechar, uma ótima palestra com o John Maeda que, com simplicidade e simpatia, apresentou um estudo sobre como o design é usado nos dias de hoje, segmentando a área em 3 tipos de design: Design Clássico, realizado por profissionais que prezam pelo acabamento e resultado formal; Design Thinking, um design que é usado em corporações e negócios e Computational Design, que é o design digital em todas as suas variações.

John Maeda enfatiza a importância do design como ferramenta de negócio e o fato de cada vez mais corporações grandes elegerem designers para cargos executivos. Parece mesmo que vivemos tempos interessantes e cheios de possibilidades, em que o pensamento de design é colocado a prova em muitas e diferentes frentes.

Amanhã tem mais. Até.

ANTERIOR A cara da inteligência artificial