18 de março de 2020

Que papéis pessoas e Marcas devem desempenhar hoje para construir um amanhã melhor? A partir desse questionamento, entrevistamos Gustavo Greco, sócio e diretor de criação da Greco Design. Ele comentou sobre a influência do Design no mundo, a importância de um Propósito, marcas que se destacam nesse cenário, entre outros. Confira abaixo.

1) Como você acredita que o design pode melhorar o mundo?

Eu não gosto muito de colocar o design no lugar do super-herói que vai salvar o mundo, mas trabalhamos o tempo todo com projetos que estão diretamente ligados à maneira pela qual experimentamos o mundo. A criatividade, como matéria-prima, é um recurso inesgotável e de grande relevância para o desenvolvimento da economia.

O design, ao apelar para os sentidos, deixa evidente as diferenças entre as Marcas e materializa o seu Propósito. Nossos projetos são exercícios cotidianos e contínuos de compartilhamento, renovação e ressignificação que se utilizam da informação como principal insumo.

Nossa profissão nos obriga a atentarmos para a relação das pessoas com o mundo e entre elas. “Os designers mais inovadores rejeitam conscientemente o padrão e cultivam um pensamento por pensar errado” (Marty Neumeier). Assim, tomando caminhos alternativos, com ideias muitas vezes contestadoras, acabamos por consolidar o design como uma disciplina capaz de projetar um futuro melhor – e para todos.

2) No mercado, fala-se tanto de “Propósito” que há o risco de se esvaziar o potencial de ação da palavra. Como criadores e gestores de Marca podem ficar mais atentos para que o Propósito das Marcas que trabalhamos sejam, de fato, colocados em prática?

Palavras muito usadas em um contexto profissional acabam se esvaziando mesmo, ficam até chatas. A Marca é a percepção que reside na mente de cada consumidor a respeito de um produto, empresa ou serviço, certo? A base da Marca é, portanto, a confiança.

Confiamos em uma Marca quando nossas experiências são positivas e correspondem às nossas expectativas. Marcas são promessas e promessas devem ser cumpridas.

3) Na sua opinião, que Marcas possuem Propósitos que trazem impactos positivos para o mundo e o que as diferencia das demais nesse aspecto?

São inúmeras as iniciativas. Acredito que em função do mau uso que fazemos do nosso planeta, é praticamente mandatório que as Marcas tenham projetos a esse respeito. Mas toda vez que me pedem uma lista, fico com medo de deixar alguém de fora ou de não ser tão profundo como a resposta merece ser. Cito, então, a plataforma “What Design Can Do”, que trata exatamente de iniciativas do design para uma sociedade melhor. Lá abordam estratégias alternativas e ideias provocativas que resolvam questões que, muitas vezes, não podem ser solucionadas somente pelo dinheiro, governos ou ciência.

Vale conferir: https://www.whatdesigncando.com/

4) Você poderia falar um pouco sobre o Design Meets Fa.vela? Como foi a criação do projeto e como você vê o impacto dele hoje? Acha que ele tem potencial para abranger o país como um todo?

Belo Horizonte, a quinta maior cidade do Brasil, ocupa o cargo de terceira cidade com maior número de favelas do país. O Fa.vela é a primeira aceleradora de base favelada do Brasil, que atua no desenvolvimento do ecossistema de empreendedorismo, tecnologia e inovação de comunidades de baixa renda, por meio de programas de aceleração de negócios e projetos com foco em impacto socioambiental e econômico.

O projeto Design Meets Fa.vela nasceu em 2016 com o objetivo de criar projetos de identidade para esses empreendedores, possibilitando que suas Marcas nasçam e prosperem. Mais de 100 empresas participantes do projeto tiveram suas Marcas criadas pelos melhores designers da cidade que trabalharam pro bono.

Não era nossa intenção a estetização da pobreza com parâmetros visuais distantes e estranhos aos donos das Marcas. Era fundamental que essas pessoas se sentissem parte daquilo que nascia. Para os pontos de contato das Marcas, por exemplo, foram mantidos materiais simples e, muitas vezes, utilizadas gambiarras características da cultura brasileira nas soluções de design. O design aqui trata muito mais de materialização de sonhos e pertencimento do que de acabamentos elaborados e repetidamente finalizados. É o design em sua essência de transformar o mundo à sua volta.

5) Como consumidores e usuários podem cobrar Marcas para que elas atuem com mais responsabilidade, que façam cumprir suas promessas, saindo do discurso e indo para prática?

Deixando de consumi-las ou de interagir com elas, simples assim.